Perguntas freqüentes

Bem-vinda à Comunidade Online da Síndrome de Asherman. Como o tamanho da nossa comunidade de pacientes de Síndrome de Asherman está crescendo, descobrimos que as mulheres recém diagnosticadas possuem, em geral, as mesmas perguntas. Criamos então uma lista de perguntas freqüentes que podem ajudar novos membros e visitantes com informações báscas e sugestões de primeiros passos que podem ser mais apropriados para investigação e tratamento de Asherman. Também criamos um chacklist de sintomas comuns. Clique aqui <link> para ver o checklist.

1. O que causa a Síndrome de Asherman?

A resposta breve é: não há uma causa única, mas sim várias causas que contribuem para o desenvolvimento de Asherman. Em geral, a síndrome aparece mais freqüentemente em mulheres que passaram por uma Dilatação e Curetagem para remoção de placenta retida após um parto, para limpar o útero após um aborto incompleto ou para a interrupção de uma gravidez. Passar por uma dilatação e curetagem em uma gravidez recente freqüentemente pode provocar Asherman, mas não sempre. A teoria que prevalece é a que a Síndrome de Asherman resulta de uma dilatação e curetagem realizada de maneira agressiva, causando cicatrizes quando o médico atua com muita força durante a raspagem do útero. Após um parto, o útero está mto sensível, e uma dilatação e curetagem deve ser executada da maneira mais leve possível, o que, infelizmente, nem sempre acontece. O risco aumenta com o uso de materiais de corte durante o procedimento, a menos que seja feito por uma profissional especializado em tratamento de Asherman.

2. Eu nunca passei por uma Dilatação e Curetagem. Posso ter Asherman mesmo assim?

Sim. A Síndrome pode ser causada por outros fatores traumáticos no interior do útero, como uma cesárea, infecções uterinas e outros cirurgias no útero, como a miomectomia.

3. Eu ainda tenho periodo menstrual todos os meses. Isso significa que não tenho Asherman?

Não necessariamente. Algumas mulheres com casos moderados e severos de Asherman pode ter amenorréia (ausência do ciclo menstrual) mas outras com casos leves podem ainda ter seus ciclos, mas vão perceber uma redução do fluxo. Isso significa que o colo do útero está aberto e você pode engravidar, o que não é recomendado em caso de presença de tecido cicatricial no útero. Por favor, veja a pergunta 13.

4. Como posso ter certeza que tenho Sindrome de Asherman?

A melhor maneira de diagnosticar é pela visualização do interior do útero. Isso pode ser feito através de histeroscopia diagnóstica ou por histerossalpingografia. A histeroscopia diagnóstica envolte a dilatacao do colo do útero e a inserção de um fino escopo que permite ao médico vizualizar o interior do útero diretamente. A histerossalpingografia é um método mais indireto e é feita através da inserção de um cateter pelo colo do útero e a injeção de contraste na cavidade uterina enquanto se toma radiografias. Com este procedimento, o medico pode verificar detalhadamente a foto do interior do útero e notar algumas áreas com tecido cicatricial. Não é raro que mulheres com Asherman possuem o colo do útero tão afetado que impossibilita o médico de inserir o cateter para realização do exame, sendo no caso recomendada a histeroscopia diagnóstica. Alguns médicos recomendo a histerossonografia (ultrasom realizado após a injeção de solução salina no interior do útero), mas, por consenso geral, concluiu-se que esse método revela a presença de cicatrizes de maneira genérica, sem muita clareza ou detalhes como imagens de uma histerossalpingografia.

5. A histerossalpingografia dói? O que preciso saber sobre ela?

A histerossapingografia pode ser desconfortável, especialmente para mulheres com muitas cicatrizes. Relatam ser menos dolorido nos casos mais leves. É recomendado o uso de um anti-inflamatório horas antes do procedimento (como ibuprofen) e você pode perguntar ao seu médico sobre medicação para reduzir a dor. Você sentirá também cólicas e um desconforto geral que pode durar poucos minutos ou até algumas horas após o exame.

6. Passei pela histerossalpingografia e fui diagnosticada com Asherman. Que perguntas devo fazer ao meu médico agora?

Uma vez q você foi diagnosticada com Asherman, terá uma sério e informações que você precisa ter acesso para decidir sobre o tratamento. Você deve perguntar ao seu médico: Qual meu caso? Leve, moderado ou severo? Meu colo está obstruído? Qual porcentagem do meu útero está aberta? Em q parte do meu útero as cicatrizes estão localizadas? Minhas trompas estão desobstruídas? Meu endométrio está visível? Se sim, qual sua espessura? Qual tratamento você sugere? Que isntrumentos serão usados? Quantos casos de Asherman o doutor tratou no último ano?

7. Qual médico devo procurar para o tratamento de Asherman? Devo continuar com meu atual ginecolista ou meu Especialista em Fertilidade?

Existem alguns ginecologistas e especialistas em reprodução qualificados a tratar casos leves de Asherman. Para os casos moderados a severos, é recomendado procurar um especialista em Asherman. A cirurgia de Asherman é muito delicada e mesmo médicos experientes em outras cirurgias uterinas podem não ter a habilidade para tratar casos mais graves de Asherman com sucesso. Muitos membros do grupo cometeram o erro de aceitar quando seu atual médico disse q poderia ajudar e, no fim, pioraram o quadro. Uma cirurgia mal feita tem um alto risco de piorar ainda mais a condição, o que é VITAL. (veja pergunta 11 para maiores informações sobre isso). A primeira cirurgia é a que mais tem chances de restaurar o utero e deve ser feita pelo cirurgiao mais experiente possivel.

8. Qual o tratamento mais comum para Asherman?

Os tratamentos podem variar de médico para médico, mas o mais comum é a histeroscopia cirúrgica usando micro-tesouras para remoção das aderências, seguida da inserção de um balão por 7 a 10 dias após a cirurgia. Outro bem respeitado método é não usar o balão e verificar semanalmente apos a cirurgia, por histeroscopia diagnostica, a presenção e remoção de leves novas aderências, se for o caso. A cirurgia normalmente é seguida da administração de antibióticos (especialmente no casos de uso do balão, reduzindo as chances de infecção) bem como o uso de estrógeno e progesterona.

9. Meu médico sugeriu Dilatação e Curetagem par ao tratamento de Asherman, mas essa não é a principal causa?

Infelizmente, ainda existem médico que não estão devidamente treinados para o tratamento de Asherman. Este é o pior tratamento que se conhece e só vai agravar a condição, deixando-a, possivelmente, irreparável! Se um médico sugerir isso a você, é sinal de que ele não é a pessoa indicada para o tratamento. Por favor, veja a pergunta 11 para mais informações sobre danos que podem ser gerados por tratamentos agressivos para Asherman

10. Meu médico disse q quer usar laser para a remoção das aderências. Essa é uma boa idéia?

Ainda quem alguns médicos tenham tido bons resultados com o uso do laser, por consenso geral se conclui que se deve evitar o uso de qualquer instrumento que gere calor dentro do útero, como o laser, devido a um potencial risco de mais danos ao endométrio. A destruição de qualquer área do endométrio pode ser permanente, podendo dificultar ou impossibilitar a implantação do embrião.

11. Fui diagnosticada com Asherman e me disseram para esquecer sobre ter um bebê. Isso é verdade?

Ninguém pode falar isso com certeza pois depende de muitos fatores. Sabemos de muitos membros da nossa comunidade online que tiveram seus filhos após o tratamento de Asherman, mas também temos muitos membros que não tiveram. Isso depende de muitos fatores, como a severidade do caso, a habilidade do médico que fez o tratamento, a quantidade de endométrio saido que ainda restou, entre outras coisas. O fator mais importante está associado à habilidade médica para fazer a cirurgia, e por isso recomendamos um dos médicos listados na nossa página. Mesmo com o melhor médico, ter um bebê após Asherman não é garantido. Em alguns casos, é verdade, não há chances para ter um bebê após Asherman. Isso ocorre quando o endométrio se mantém muito fino após o tratamento e/ou possui uma estrutura não-uniforme ao invés de uma camada contínua. Isso ocorre quando o procedimento de Dilatação e Curetagem foi realizado de maneira muito agressiva, afetando de maneira irreparável a camada basal do endométrio (camada responsável pelo crescimento todos os meses). Atualmente, não existe tratamento para este caso, mas as pesquisam continuam. Mais uma vez, esta é a razão pela qual se deve procurar um especialista em Asherman para o tratamento. Mesmo o mais bem-intencionado médico pode provocar danos ao endométrio sem intenção por não ter a devida experiência nessa condição tão complicada.

12. Após o tratamento, como saber se eu possuo endometrio suficiente para suportar uma gravidez?

Uma ótima espessura do endométrio é no mínimo 8mm no meio do ciclo, ou seja, entre os dias 12 e 14 de um clico de 28 dias. Essa medida pode ser definida com precisão através do ultrasom transvaginal, atraves de um bastão indroduzido no canal vaginal. A medida exata pode não ser crucial. Algumas mulheres da comunidade conseguiram levar a gravidez até o final com endométrio medindo entre 4 e 5mm. De fato, os médico consideram que, uma vez que o útero está livre das aderências, a medida exata do endométrio não é o mais importante se você continua tendo ciclos regularmente. Outro fator importante diz respeito ao local onde o endometrio se apresenta continuo e onde se apresenta irregular, que pode interferir na implantação do endométrio. A irregularidade do endométrio pode ser visualizada num ultrasom, mas a melhor forma de confirmar a continuidade do endométrio é através de uma histeroscopia.

13. Fui diagnosticada com um leve caso de Asherman. Posso engravidar sem o tratamento para a remoção das aderências?

A pergunta correta não seria POSSO, mas sim, DEVO? É sim possivel que uma paciente de Asherman com o colo do útero e trompas desobstruidas engravide, mas é muito arriscado. Há muitos peridos tanto para você como para o bebê dependendo da quantidade de cicatrizes dentro do utero. Os riscos são maiores para aborto, problemas de retenção de placenta, sangramentos durante a gestação e nascimento do bebê sem vida. É recomendado que mulheres diagnosticadas com Asherman não engravidem até terem as aderências removidas. Esta é a razão de se recomendar o uso de anticoncepcional até que seu médico esteja confiantes de que você está livre das cicatrizes.

14. Eu preciso tratar a Síndrome de Asherman mesmo se eu não pretendo ter mais filhos? Existe algum risco de deixar sem tratamento?

A principal razão para o tratamento de Asherman é reparar o utero para uma possível gravidez. Se não há a inteção de engravidar, talvez não seja necessário o tratamento, exceto se você tem dores durante a menstruação. Alguns casos de Asherman podem resultar em Endometriose, caso não tratados.

15. Como a endometriose está associada à Síndrome de Ashermann?

As aderências podem provocar o bloqueio da saída do fluxo menstrual pelo colo do útero, fazendo com que ele faça o sentido contrário ou seja reabsorvido. Caso ele tome o sentido das trompas e se instale na cavidade abdominal, poderá causar dados aos demais órgão como os ovários, bexiga, intestinos, seguido de dores. Por isso é importante tratar a Síndrome de Asherman, a fim de evitar o desenvolvimento de endometriose.

16. O que significa se eu fizer a histeroscopia cirúrgica e, mesmo assim, minha menstruação nao voltar?

É possível que novas aderêcias tenham se formado após a cirurgia e estejam bloqueado a passagem do fluxo. A presença de novas aderêcias podem ser confirmadas por Histerossalpingografia ou Histerossonografia. Uma nova histerosocopia poderá remover as novas aderências sem dificuldades. Pesquisadores acham que essas novas aderências não são, de fato, novas cicatrizes, mas sim, uma reformação das mesmas que foram removidas durante a primeira cirurgia. A remoção do tecido cicatricial dentro do utero é uma tarefa muito difícil. O cirurgião deve ir fundo o suficiente para remover a base da cicatriz, mas não tão fundo a ponto de afetar o endométrio. Isso significa que é muito comum o reaparecimento das aderências, mas sua remoção é fácil.

17. É possível ter todos os sintomas de Asherman e mesmo assim não ter a Síndrome?

Se você apresenta pouco ou nenhum fluxo menstrual após uma Dilatação ou Curetagem ou outra cirurgia uterina, é muito provável que você tenha desenvolvido a Síndrome de Asherman. Porém, há outros fatores que podem desecadear a hipomenorréia ou amenorréia. Oligomenorréia (ciclos longos) pode ocorrer simultaneamente ou não. Isso pode indicar uma alteração hormonal. Algumas mulheres demoram mais tempos a ter seus ciclos regulados após uma gravidez ou aborto, principalmente em mulheres que já possuiam irregularidades antes da gestação. Essa condição pode ser alterada com o uso de medicamentos, mas não curada. Se os níveis hormonais não retornarem ao estado normal após uma cirurgia uterina, principalmente associada a uma gravidez, as mulheres devem supor que tenham Asherman, mesmo que não acreditem. Algumas coisas que você pode solicitar ao seu médico são exames para checar os níveis de Prolactina, TSH, T4, FSH e estradiol. Se esses nívels estiverem normais, sua hipo, olgo ou amenorréia pode ser explicada pela condição de Asherman. Por favor, não deixe de conversar com seu médico a respeito de todos os fatores, a fim de um diagnóstico preciso.

18.DIU pode provocar Asherman?

Não há evidências de que o DIU possa causar a Síndrome de Asherman. Muitos médico utilizam o DIU para evitar a reincidência das aderências após a remoção das cicatrizes. Porém, qualquer invasão à cavidade uterina (Dilatação e Curetagem, biopsia endometrial, DIU, hsterossalpingografia, historossonografia, histeroscopia, etc) podem ser vetores de bacterias que venham a colonizar o endometrio. Talvez elas possam gerar a formação de cicatrizes. Caso durante um procedimento ocorrer um trauma como a perfuração do útero, o risco de Asherman aumenta.

International Ashermans Association
visitors: 

Conditions of third party use

Contents from this website may be reprinted only under the condition that the content is credited to International Ashermans Association and a URL link i.e.  http://www.ashermans.org/ 
is included.